Atenção: Esse site só pode ser visualizado perfeitamente em um browser que suporta Web Standards. É recomendável que você atualize o seu browser clicando aqui. Obrigado e desculpe o transtorno.

CASOS DE SUCESSO

AVALIAÇÃO ECOTOXICOLÓGICA DO ECOSSISTEMA MARINHO NA REGIÃO DE PRAIA MOLE, ESPÍRITO SANTO, UTILIZANDO OS ORGANISMOS S.COSTATUM, E.LUCUNTER E NITOKRA SP. EM DIFERENTES MATRIZES AMBIENTAIS

Os ensaios ecotoxicológicos buscam avaliar efeitos que substâncias químicas ou efluentes industriais podem causar no ambiente. De acordo com Prósperi e Bertoletti (2004), uma vantagem da utilização destes ensaios na avaliação de impactos potenciais na região costeira está associado às respostas tóxicas, geralmente indicativas de contaminação química e, portanto, podem ser utilizadas como mecanismos avaliadores de amplo espectro de efeitos. As algas são utilizadas em ensaios ecotoxicológicos pela sensibilidade às alterações ocorridas no ambiente e por possuir um ciclo de vida relativamente curto, que possibilita a avaliação dos efeitos tóxicos em várias gerações (COSTAet al, 2008). Os ensaios com o ouriço do mar vêm sendo utilizados para avaliar a ecotoxicidade crônica dos efluentes, quando este é lançado em ambiente marinho. Os sedimentos marinhos podem ser depósitos para poluentes persistentes introduzidos no ambiente aquático (MELO e ABESSA, 2002), podendo se transformar em depósitos mais enriquecidos quando comparados à coluna de água (FURLEY, 2006). Estudos abordando efeito de contaminantes sobre várias espécies bentônicas indicam que os copépodes são susceptíveis aos efeitos de diversos compostos (COULL e CHANDLER, 1992). O presente trabalho objetivou avaliar a qualidade de água e sedimento, na região de Praia Mole, utilizando ensaios ecotoxicológicos em diferentes matrizes ambientais.

A área de estudo abrange a plataforma continental do estado do Espírito Santo, região de Praia Mole e Praia de Carapebus. As coletas ocorreram durante as estações de outono e primavera/2013 em 12 pontos amostrais. As amostras de água foram coletadas com garrafa Van Dorna uma profundidade de 50 cm da superfície e 50cm do fundo e as amostras de sedimento, com amostrador busca-fundo tipo Petersen. As coletas ocorreram conforme os procedimentos previstos na norma ABNT NBR 15469 (2007). Para os ensaios foram utilizados os organismos Skeletonema costatum, Echinometra lucunter Nitokrasp. em matrizes de água de superfície, água de fundo e sedimento marinho, respectivamente. As metodologias adotadas obedeceram as Normas ISO 10253 (2006), ABNT-NBR 15350(2012), e o método proposto por Lotufo e Abessa (2002). Em paralelo foram realizadas análises químicas dos parâmetros: DBO, Turbidez, Sólidos Suspensos Totais, Fluoreto total, Nitrogênio Amoniacal Total, Nitrito, Nitrato, Fósforo Total, Ferro Total, Ferro Dissolvido, Manganês Total, Manganês Dissolvido, Alumínio Total, Alumínio Dissolvido, Zinco dissolvido, Zinco Total, Cianeto Total, Fenóis Totais, Chumbo Dissolvido, Chumbo Total, Cobre Total e Cobre Dissolvido, baseados no Standard Methods (2012).

Nas amostras de água superficial coletadas no outono de 2013, foram observados efeitos em três pontos amostrais. Nestes, observou-se valores de fluoreto acima do limite estabelecido na Resolução CONAMA 357/2005. Já o resultado da análise de água de fundo utilizando E.lucunterrevelou que apenas um ponto no outono de 2013 apresentou ecotoxicidade, entretanto, não foi observado efeito crônico ao organismo Nitokrasp. Vale ressaltar que os parâmetros químicos encontraram-se dentro dos limites estabelecidos na Resolução CONAMA 454/2012. Na amostragem de primavera, foram observados efeitos tóxicos nos ensaios com Nitokra sp. e S. costatum, o que não refletiu nos resultados das análises químicas, pois se observou o atendimento aos limites estabelecidos na Resolução CONAMA 357/05 para a maioria das variáveis químicas analisadas, bem como o atendimento dos padrões fixados na Resolução CONAMA 454/2012.

Ressalta-se que a matriz ambiental interferiu na avaliação ecotoxicológica do ambiente marinho, evidenciando as diferenças na biodisponibilização dos poluentes presentes nas frações sólidas ou dissolvidos na coluna d'água. Assim, nas matrizes avaliadas, a água superficial apresentou a maior ecotoxicidade, enquanto as amostras de água de fundo não apresentaram efeito tóxico e o sedimento apresentou efeito intermediário.