Atenção: Esse site só pode ser visualizado perfeitamente em um browser que suporta Web Standards. É recomendável que você atualize o seu browser clicando aqui. Obrigado e desculpe o transtorno.
28 mar 2016

APLYSIA no Workshop: Conceitos, Ferramentas e Estratégias para Avaliação Ecotoxicológica de Efluentes - Paris, 2016

No início do mês de março, 2016, a diretora da APLYSIA, Tatiana Furley, participou do Workshop sobre Conceitos, Ferramentas e Estratégias para Avaliação Ecotoxicológica de Efluentes, ocorrido em Paris. Ela foi um dos 40 pesquisadores internacionais convidados a participar do evento. Neste resumo, dividiremos com vocês as principais novidades encontradas por lá.

Pesquisadores de vários países apresentaram como a avaliação ecotoxicológica dos efluentes tem servido como uma excelente ferramenta de controle ambiental, trazendo como resultado a melhoria da qualidade dos rios, lagos e áreas costeiras, bem como dos seres vivos. Nos casos de maior sucesso, a ferramenta também havia sido aplicada no controle dos tipos de produtos químicos usados no processo produtivo das indústrias, além do efluente final.

Nos casos em que os efluentes finais apresentaram ecotoxicidade, tem sido aplicada a investigação dos efluentes setoriais (Balanço da Toxicidade), identificada a fonte e até o produto químico.

No workshop também ficou claro que estimar a qualidade ambiental de um rio baseado somente nos ensaios ecotoxicológicos do efluente não é suficiente, e estudos com as espécies que vivem no recurso hídrico local são de extrema importância e necessários, principalmente quando se deseja avaliar os efeitos crônicos.

Os peixes e organismos bentônicos tem sido os bioindicadores mais comumente utilizados em monitoramentos ambientais, assim como o método proposto no Projeto Peixe Guia da APLYSIA. Vários métodos de avaliação da saúde dos peixes têm sido usados, destacando índice gonadosomático, hepatossomático, condição, biomarcadores).

No futuro, a tendência é reduzir o uso de peixes nos ensaios ecotoxicológicos e avaliar os efeitos ambientais nos vertebrados a partir de células, expressão de gen, ou embriões. Na Alemanha, os embriões de peixes já têm sido usados tanto para avaliar qualidade de efluentes quanto da água para consumo humano.